Haridwar – O Portal dos Deuses

Saímos pela manhã bem cedo de Delhi com destino à Haridwar, uma pequena cidade no norte da Índia e também uma das sete cidades sagradas do país. Fomos de trem por aproximadamente 9 horas e nosso plano era passar três dias e seguir para Rishikesh, mais ao norte ainda. A viagem transcorreu tranquila pelos 235 km que separam as duas cidades.Resolvemos desta vez viajar na 1ª classe, escolha que nos custou somente US$ 10 extras.

A cabine do trem é confortável e segura, mas sem luxo algum. Comemos biscoitos e refrigerante, era o que havia

Haridwar é a primeira cidade plana a receber o rio Ganges em sua descida pelos Himalayas até a Índia. Na entrada da cidade nos deparamos com o grande Shiva, que majestoso, nos recebe com seu poder e bençãos.

shiva                           Enorme estátua de Shiva na entrada de Haridwar

Enfim chegamos ao nosso destino e fomos para o hotel escolhido anteriormente. Ele ficava na beira do rio e as janelas do quarto praticamente no nível da água. O que era lindo de se ver transformou-se para mim à noite num tormento… estávamos no inverno de fevereiro e o frio me impedia de dormir, mesmo tendo colocado tudo o que tinha de roupas! Consegui me controlar e fiz uma meditação de aquecimento oriunda do budismo tibetano e de práticas de yoga. Após alguns minutos fazendo uma determinada respiração, consegui me aquecer e dormir por algumas horas.

hotel

Muitos hotéis da cidade ficam em frente ao rio

Deixamos nossas coisas no hotel e fomos conhecer a cidade de tuc-tuc. Haridwar é cortada ao meio pelo Ganges, o qual divide não só a cidade geograficamente, mas também um dos lados é área de moradia dos Dalits, a casta dos intocáveis, considerada a mais baixa do país. Vêem-se centenas deles acampados na outra margem do rio, cozinhando, cantando, dormindo e fazendo pequenos negócios para ajudar na sobrevivência.

dalitsUma mãe Dalit com seu filho

O comércio local é intenso e muito variado, como costuma ser na maioria das cidades indianas.

O comércio de Haridwar é intenso e muito variado

Passamos o dia explorando a cidade, conhecendo locais de interesse, templos, ruas, o rio e suas atrações, etc.

Há muitas atrações de diversas naturezas para conhecer em Haridwar.

No fim do dia eu estava com forte resfriado e com febre, além disso o frio aumentou e chovia muito, o que piorou meu estado. Saímos para tentar encontrar um bom casaco e consegui comprar um num camelô; um casaco tão bom que cheguei a usá-lo posteriormente em Oslo num frio de – 11º. Este casaco chinês me salvou em Haridwar e logo depois em Rishikesh, onde estava mais frio ainda.

19596_532397233459763_691435281_n

O casaco chinês do camelô que me salvou do gelado inverno indiano. Foto em Rishikesh

Durante o dia comemos bobagens pelas ruas e almoçamos num pequeno restaurante vegetariano. Havia a escultura de uma mão feminina badalando um sino (símbolo da vacuidade) que nos chamou a atenção. A comida muito boa e o ambiente bem agradável também.

À noite jantamos no restaurante de um hotel próximo e comemos pizza! Bom, seja lá o que o cozinheiro entende por pizza… neste jantar conhecemos uma senhora brasileira casada com um indiano. Batemos um papo com o casal e voltamos para o nosso hotel. Há bons restaurantes em Haridwar e pode-se comer algo com paladar ocidental em vários restaurantes e redes fast food.

No dia seguinte depois do café fomos em direção ao Mansa Devi Temple que fica no alto de um morro e chega-se de teleférrico.

Caminho aéreo até o Mansa Devi Temple

Passamos um bom tempo lá conhecendo, caminhando, fotografando e fazendo nossas orações e oferendas. Deve-se ter cuidado com os macacos, pois podem roubar qualquer objeto que estejamos carregando. Como sempre, turistas indianos quiseram tirar fotos conosco. É divertido ser atração num local diferente…

Mansa Devi Temple

Na Índia é comum a construção de templos no alto de morros e montanhas. Certa vez em Jaipur fui conhecer um templo dedicado a Ganesha; quase perco o fôlego subindo as escadarias intermináveis. A pior de todas, para mim, é a do Monkee Temple de Katmandu, mas este assunto será tratado nos posts sobre estas cidades. À tardinha do segundo dia fomos providenciar nossa ida para Rishikesh e depois de pesquisarmos algumas agências de turismo, conhecemos o MR. Ashok, um senhorzinho muito simpático que nos orientou em tudo. Fizemos a reserva do hotel e também contratamos um táxi com ele para nos levar.

Mr. Ashok resolvendo nosso deslocamento e nos servindo um chai

Haridwar é uma cidade com uma grande história e que vale a pena pesquisar se você tiver interesse. Possui vários Ashrams e escolas de meditação e yoga de várias linhas diferentes. Também há locais para retiros, tratamentos pela medicina Ayurveda e estudos de sânscrito e música indiana.

Faculdade Ayurveda, meditação em grande grupo e dois Ashrams

Para os aficcionados aos esportes há rafftings para a descida de algumas corredeiras locais do rio Ganges, tirolezas na cachoeira e vôos de parapente sobre a exuberante natureza local.

Práticas esportivas em Haridwar

O safári também é outra atração local na reserva selvagem próxima. Lá pode-se ver tigres, elefantes e outros animais de grande porte.

Safaris em Haridwar

Atualmente Haridwar faz parte do roteiro dos grupos que levo para a Índia, quando viajamos para o norte.

Obrigado por sua visita!

EM FEVEREIRO 2019 LEVAREI O PRÓXIMO GRUPO À ÍNDIA. CONHEÇA TODOS OS DETALHES DESTA MARAVILHOSA VIAGEM COM GUIAS EM TODOS OS LOCAIS, HOTÉIS CONFORTÁVEIS, PASSEIOS HISTÓRICOS, CULTURAIS E ESPIRITUAIS!

CLIQUE NA FIGURA ABAIXO. VOCÊ SERÁ ENCAMINHADO AO SITE “MEDITAÇÃO RIO” E TERÁ TODAS AS INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS PARA IR CONOSCO. SE PREFERIR LIGUE PARA OS TELEFONES: (21) 214606545 (21) 994921557 Ricardo Mendonça e (21) 979792000 Alessandra Santos

folheto_india_jan2019

 

APOIO